Coréia pode aprender da produção de dramas japoneses

Photobucket

Imagem meramente ilustrativa

Coréia e Japão são o centro da atenção quando se trata de falar de dramas, e o Instituto Coreano de Emissão revelou as diferenças entre os dois países, próximos geograficamente, mas afastados um do outro na produção de dramas.

De acordo com o relatório “Comparação sobre a gravação de dramas do Japão e Coréia”, encabeçado pelo investigador Kim Young-duk, os honorários de atuação dados aos atores coreanos ultrapassam os dados em Japão, o que diminui a competitividade no mercado de produção de dramas. Enquanto o pagamentos aos atores coreanos corresponde a 60% do orçamento total do drama, os atores japoneses recebem um 20% a 30% da quantidade. O relatório sugere que: “Cotas excessivas podem elevar os custos de produção, o que pode dar lugar a maus resultados. Coréia deve chegar a um sistema de pagamento racional mediante a observação de dados objetivos”. A razão pela qual os atores japoneses não obtém um pagamento excessivo é porque as negociações são levadas a cabo em base à informação acumulada. Japão aponta que isto se chama “Audiências possíveis”, que são, basicamente, as audiências que se podem obter baseando-se em: as audiências dos outros dramas dos atores, o número de aparições em televisão dos atores e outros meios de comunicação dos 3 anos anteriores.

O relatório dá exemplos deste sistema, incluído o de Nanako Matsushima, quem recebeu 4.5 milhões de yenes (Aproximadamente 45 514 dólares) por uma audiência potencial de 14.8%; Yukie Nakama com 3 milhões de yenes (30 342 dólares) por uma audiência de 14.1% e Kimura Takuya que recebeu 3.5 milhões de yenes (35 400 dólares) por uma audiência de 13.1%. Os atores mais populares como Bae Yong-joo ganham cerca de 250 milhões de wons (185 800 dólares) e Song Seung-heon uns 70 milhões de wons (52 025 dólares) por episódio. “Necessitamos um sistema similar que seja transparente e baseado na confiança”. Embora muitos atores, incluindo Kwon Sang-woo, Ko Hyun-Joung e Song, notaram as dificuldades na produção de drama e decidiu reduzir seu pagamento, o problema ainda persiste entre outros atores “caros” que aparecem nos mesmos dramas.

Além dos custos de produção, outras diferenças incluem o número de episódios no ar semanais e a duração destes. Enquanto os dramas coreanos normalmente saem ao ar duas vezes por semana – Segunda e Terça, Quarta e Quinta, e fins de semana- a maioria das produções japonesas apresentam os dramas só uma vez por semana. Os dramas coreanos são relativamente mais longos, de 60-70 minutos, enquanto que os episódios japoneses duram 46 minutos aprox. no ar. “O sistema de ‘dois dias no ar’ pode ser efetivo para elevar as audiências, mas para produzir programas mais competitivos a escala mundial, devemos tentar emitir um episódio por semana e reduzir o tempo dos episódios e a pré-produção”, Kim mencionou no seu relatório.

A produção de dramas no Japão começa de 6 meses a um ano antes da data de transmissão do drama, o que dá aos atores, à equipe e produtores tempo para entregar um melhor trabalho, mas raramente acontece o mesmo na Coréia. “Muitos dramas coreanos são realizados com problemas de tempo devido aos horários excessivos”.  Muitos episódios dos dramas locais se realizam no último minuto, criando palavras como “jjok-daebon”, que significa que os roteiros foram dados justo antes da gravação da cena. Alguns, repentinamente, estendem o número de episódios, baseados na popularidade, porém, posteriormente são criticados por alonga a história demais. Para acabar com os maus hábitos de produção, Kim sugere a necessidade de especializar-se. “Ter um produtor e um diretor de cena pode ajudar a diminuir o tempo de produção, ajudar a reduzir o tempo na produção do drama e ajudar a fortalecer a qualidade geral

Considerar o impacto social que os dramas têm nos temas sociais, aspectos econômicos e culturais, é importante compreender a melhor maneira para criá-los e como apresentá-los em espaços de tempo efetivo, acrescenta o relatório. “Segundo o Instituto de Investigação Econômica, os efeitos econômicos do drama “Winter sonata” foi de 3 bilhões de won. Para as companhias de produção, os dramas se encontram dentro das empresas que estão muito interessados em criar uma imagem de si mesmos e também em criar “fontes de dinheiro” estáveis.

Fonte|doramanouchi

3 Respostas to “Coréia pode aprender da produção de dramas japoneses”

  1. […] Notícia “super legal” sobre K-Dramas (Não!) – Querem copiar os japoneses na economia e na fórmula de episódios […]

  2. Hahahahaha, esse negocio de os koreanos gravarem os epis em cima da hora rola umas confusões mesmo. Igual em BBF q a atriz principal se machucou e tiveram que passar um especial pq nao tinham um numero avançado de episodios gravados.

    Mais em suma as historias koreanas batem muito as japonesas, mas eu amo os dos, dorama é foda de qualquer forma hahaha

  3. Se as produções coreanas já são ótimas c/ tds esses prob, imagina se forem organizadas!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: